quinta-feira, 17 de fevereiro de 2005

Leve como uma pena




Quem dera ser leve como uma pena
e poder flutuar mundo afora.
Ver algo novo.
Escutar sons novos.
Cheirar novos cheiros.
Conhecer vidas tantas que abundam nesta terra.

Quem dera ser leve como uma pena
e viajar ao som do vento
por essas terras distantes.
Sentir ares de todos os tipos,
de todas as fragrâncias.
Sentir o meu corpo voar
por esse céu imenso.
Sentir a liberdade pairar em minha volta
e tomar-me como sua.

Mas, mais do que tudo,
quem dera ser leve como uma pena
e poder estar contigo em todos os momentos.
Sentir-te sempre
sem que o soubesses,
sem me revelar.
Poder admirar-te ao acordar,
ver-te adormecer,
aquecer-me com o teu sorriso,
desmaiar ao olhar o teu corpo...

Quem dera ser leve como uma pena
e poder amar-te todos os dias da minha vida.
E a distância nada seria,
pois viajaria até ti
e viveria contigo
se fosse leve como uma pena.

Raphaela Blat

7 Lápis no papel:

Blogger litle lucy escreveu no papel...

Como eu gostava de ser pássaro e voar ao encontro de quem amo.. sem distância a separar..
Muito belo, gosto imenso de te ler!

Um beijo carinhoso Rose

P.S. Eu também tenho tido problemas para comentar certos blogs, o blogspot deve tar a querer descanso ehehe
**

14:32  
Blogger O Micróbio escreveu no papel...

Ser leve como uma pena ficaria sujeito às direcções do vento... prefiro ser um pouco pesado e forçar o peso do corpo a rumar aos destinos que tracei. :-))

14:34  
Anonymous Dream_EateR escreveu no papel...

como disse ia ser presença assidua...bem gostas imenso dessa raphaela,bem eh normal pois escreve muito bem.enfim amiga bloguista...espera pelas eleiçoes...essa eh aminha proemssa eleitoral,postar sobre as eleicoes e vo voltar ao melhor nivel acredita!!;) ve os outros posts antigos e fika com um xeirinho do k escrevo pa ters uma ideia...fika bem.fui

14:47  
Blogger isabel escreveu no papel...

Não conhecia adorei ler mt bem , bj. Verdade linkei-te.

15:41  
Blogger Vab escreveu no papel...

«Sentir-te sempre
sem que o soubesses»
hum... e passar despercebido? não. Quero que me sinta bem :)

16:24  
Anonymous Alma ébria escreveu no papel...

Lembrei-me desta foto :)
http://lbutterfly.blogs.sapo.pt/arquivo/488994.html

22:27  
Anonymous Espectro #999 escreveu no papel...

Isa, tens a certeza de que toda a gente sabe quem é a Raphaela Blat ? Digo isto porque tenho a sensação que no início da nossa troca de blogueirices escreveste-me acerca disso mesmo, e hoje ao ter lido estes comentários que já te fizeram, deparo com algumas interrogações. Mas e indo directo ao que interessa, hoje em dia não vale a pena compararmo-nos a uma pena, até porque o clima não está para essas coisas. A ideia sim, a ideia transcende o material e põe-nos a flutuar pelo teu poema, como se realmente fôssemos uma pena. Mas colada a essa ideia, vem o sentimento de querer estar com alguém, e para isso acontecer, a pena serve de transporte para esse mesmo destino, o que só por si, revela a enorme capacidade que tens de amar. Bom, acho que estou para aqui a delirar e a chatear-te com esta lenga-lenga, vai daí, fico-me por aqui, mas sem antes te comunicar que te deixei a resposta ao teu brilhante comentário nos Delírios Ascii. Vai lá dar uma espreitadela e espero que gostes do que lá irás ler. Outra coisa de que acabo de me lembrar, é que estou a pensar enviar-te agora mesmo, nao, agora mesmo não, até porque ainda estou a escrever este comentário que, vamos a ver se consigo enviá-lo [...] ... a pensar enviar-te um e-mail com uma foto, foto essa que será talvez a próxima a ser trabalhada, daí a urgência. O que te peço é que mediante aquilo que a foto te transmita, me escrevas uns versos para servirem de post que acompanharia o ascii #0017.
Ósculos e inté.

11:26  

Enviar um comentário

<< Voltar ao papel