domingo, 1 de maio de 2005

Parte II


Mariana, desde pequena, sempre tivera aquele sonho. Ela caminhava, caminhava até chegar a um velho castelo. Entrava nele e uma senhora muito bem trajada aparecia-lhe, conversava com ela, dava-lhe um vestido de princesinha e dizia que estava ali para a proteger. Ela dizia à pequena Mariana que um dia ajudá-la-ia a cumprir o seu destino, realizando um desejo da menina. Mas antes que pudesse dizer mais qualquer coisa, acordava. Nunca falara deste sonho a ninguém. A Senhora tinha pedido. Ela fazia o que a Senhora pedia.
Porém, há já algum tempo que não sonhava com a Senhora, tempo suficiente para não reconhecer a sua voz logo. E quando fez um esforço para se lembrar da última vez que tinha sonhado com ela, não conseguia.
- Vim realizar o teu desejo hoje, Mariana. Chegou a hora... - enquanto a Senhora falava sobre o desejo, Mariana lembrou-se. A última vez que tinha sonhado com a Senhora fora quando, finalmente, fizera o pedido e fora informada que não se voltariam a ver até... - o dia em que um castelo estivesse acima da sua cidade e margarida deixasse de ser uma flor. É este o dia, Mariana.
Margarida olhou para a amiga. Era isso, era por isso o sentimento de ter uma missão a cumprir. Era por isso que tinha sido ela a dar a ideia da ida ao castelo. Era por isso que ficara paralizada ao ver a Senhora. Ela não podia fazer nada, a missão já estava cumprida.
Mariana começou a recuar.
- Não, não pode. Naquele dia estava muito triste. Não sabia o que dizia.
- Nada posso fazer, Mariana. Eu avisei-te que não poderias voltar atrás no teu pedido e tu disseste que não voltarias.
- Mas e a minha mãe e...
- Ninguém mais se lembrará de ti. Serás não mais que uma lenda.
- Mas eu não quero dormir agora.
- Voltarás um dia, como pediste.
Mariana começou a cair suavemente no chão de pedra e terra e os seus olhos fecharam-se a pouco e pouco, caindo num sono profundo.
No último sonho que tivera com a Senhora, no dia do seu 16º aniversário, Mariana tinha feito o seu pedido. Estava tão triste que pedira para dormir, dormir num sono profundo, um sono encantado, e somente acordar quando o seu verdadeiro amor chegasse. Ele teria que chegar. Que levasse décadas, que levasse séculos, não importava, só queria que alguém gostasse dela e que esse amor a fizesse retornar à vida.
E assim, a Bela Adormecida repousou e repousa no seu leito encantado, esperando...

Um pouco de fantasia de vez em quando sabe bem:)
Terminou a história... ou talvez não;)

15 Lápis no papel:

Blogger Apenas, o cidadão escreveu no papel...

quando se interrompem narrativas criam-se expectativas sobre a sua continuação. houve aqui um desencontro por culpa do leitor.

de qualquer maneira espero ler outros.

02:53  
Blogger Leonoretta escreveu no papel...

Acabei de dizer ao Daniel do Humores que gostava da poesia dele mas que lhe preferia a prosa e não é que abro o teu blog e deparo-me com esta narrativa que me leva a proferir exactamente o mesmo?

beijinho da leonor

12:49  
Blogger Nandita escreveu no papel...

boa surpresa para o meu domingo à tarde, descobrir o fim da tua história...
um conto mto tocante, ainda agora estava a ver a gala do Hans Christian Andersen... e veio mesmo a calhar...
bj
fica bem

17:03  
Blogger Daniel Aladiah escreveu no papel...

Querida Isa
Desculpa deixar-te um senão... esperar ser amada para acordar é demasiado passivo, pressupões que ser amado implica amar de volta? Deixando-me de filosofias, a tua história está bem contada e mostras um estilo guionista que os cineastas gostam, pois pode haver sempre a continuação. :)
Um beijo
Daniel

17:59  
Blogger Betty Branco Martins escreveu no papel...

Isa Xana

Acho que deves continuar...

Está lindo, muito bem escrito. Parabéns

Um beijo

23:21  
Blogger O Micróbio escreveu no papel...

Não terminou, não... o Príncipe Encantado já deve estar à espreita!

11:15  
Blogger Cris escreveu no papel...

O reconto de um sonho de menina, em q uma qqer mágoa leva ao desejo do sono do esquecimento... Esquecer... até q a realidade valha a pena... evitar o sofrimento e a dor.

Mas... e o prazer de lutar pelo q amamos? E o prazer da caminhada?

Mas a história é linda e faz-nos reportar à infância e ao mundo da magia...

beijinho, isa

11:34  
Anonymous zezinho escreveu no papel...

Não é possível viver sem fantasia.
"Existem dois mundos: o real e o dos sonhos. Só o dos sonhos, é verdadeiro"
Beijo, beijo

15:45  
Blogger webdreamer escreveu no papel...

Espero que a Bela Adormecida tenha lindos sonhos no seu sono de Marianas, Margaridas e de mulheres ornadas ricamente e com cabelo branco deitadas algures em algum palácio.
E acho que Daniel Aladiah também tem muita razão no seu comentário...

18:10  
Blogger AS escreveu no papel...

Isa, um conto repleto de fantasia e criatividade muito bem escrito. Continua com as narrativas e tenta consolidar um estilo.

Gostei muito

Um beijo

19:02  
Blogger Guida escreveu no papel...

gosto das tuas historias, com pitadas de carinho e fantasia.

beijinho :)

19:48  
Blogger La Luna escreveu no papel...

já conhecia a tua história da Senhora do Castelo...mas é sempre um enorme prazer relê-la... é linda!
beijo

22:46  
Blogger Å®t_Øf_£övë escreveu no papel...

Gostei de ler esta tua história.
Já te tinha dado varias vezes os parabéns pela tua escrita em verso,e agora tenho que o fazer também para a escrita em prosa.
Tens o dom da escrita.
Boa semana.
Bjs.

23:06  
Blogger bertus escreveu no papel...

...as histórias "encantadas" não têm fim. Esta que escreveste também não...E quase que aposto que um dia irás "pegar nela"; lá para quando o principe chegar ao pé da bela adormecida...digo eu.

Beijos e intés!!

11:52  
Anonymous ferrus escreveu no papel...

Opá! Tão? E o resto? Assim não vale :-))) Vamos lá dar continuidade à história, se faz favor! :-)) Bjitos

15:21  

Enviar um comentário

<< Voltar ao papel