domingo, 9 de abril de 2006

Encantamento


Enchi um balão com o vento de ontem.
Soprou tão forte, tão selvagem
e agora no meu balão está quieto, dormindo.
Ficou sem a bravura de ontem, o ar dentro do meu balão.
Ficou sem a cor da força, sem o aroma a maracujá
que tão ardentemente me seduzia.
Perdeu fervor, calor. Perdeu-se
e a cada ontem que atravesso, perde-me.

Era um vento tão valente e eu, no meu encanto,
aprisionei-o para ser o meu vento.
Quisera eu prejudicar ninguém, só sonhava em tê-lo por perto.

Mas como prender o vento se o destino dele é o mundo?

Ao amanhecer acordei-o, soltando o balão
e deixando-o voar.
Segue o teu fado, meu querido.

Raphaela Blat


P.S.: Peço desculpa pela ausência. Não tenho conseguido escrever. Hoje lá consegui, foi uma sorte. Amanhã venho visitar-vos. Beijos esvoaçantes:)

33 Lápis no papel:

Blogger Bífido escreveu no papel...

Fico à espera... :)

14:39  
Blogger TomSawyer escreveu no papel...

quem se importa com a ausencia se quando voltas nos brindas com palavras tao bonitas :), tu es o nosso vento e de maneira nenhma te keremos aprisionar...beijo

21:08  
Blogger Taliesin escreveu no papel...

olá minha querida amiga gostei muito desse poema, vc demora mas qdo vem coloca belas palavras.
Beijão

06:07  
Blogger Luis Duverge escreveu no papel...

Arranja-me um balão para eu encher,
colocar um sonho onde:
querer não fosse poder,
partir sem doer,
ficar sem perder,
desaparecer sem pensar em viver,
mas porque de um sonho se trata,
não é para entender.

Boas férias ...e obrigado por este post em forma de ovo da Páscoa.

10:50  
Blogger lady-bird escreveu no papel...

Mágico regresso de balão.
Continua a voar até nós, borboleta.
Beijinho

13:58  
Blogger AS escreveu no papel...

Querida Isa Xana, este teu lindo poema sugeriu-me um poema de Torga de que gosto muito:


Foi um sonho que eu tive
Era uma grande estrela de papel,
Um cordel
E um menino de bibe.

O menino tinha lançado a estrela
Com ar de quem semeia uma ilusão;
E a estrela ia subindo, azul e amarela,
Presa pelo cordel à sua mão.

Mas tão alto subiu
Que deixou de ser estrela de palel.
E o menino, ao vê-la assim, sorriu
E cortou-lhe o cordel.


Para ti com um beijo

14:25  
Blogger Leonoretta escreveu no papel...

os poemas feitos á natureza sao sempre os mais lindos porque a natureza nunca trai.

ja estou boa isa, obrigado.

beijinhos da leonoreta

21:55  
Blogger mixtu escreveu no papel...

lindo, lindo... o deixar voar quem quer voar...
o amor não é prender, é dar liberdade, e o que é nosso e o que merece ser nosso um dia vai voar ao encontro do nosso coração
excelente post, li e reli, lindo...
Isa para puderes postar mais e com esta qualidade pois a blogo necessita de blogs como o teu para ver se melhoramos isto, quero-te ver feliz, sempre feliz, e se quiseres soltar um sorriso podes tirar a mão da boca e lê o meu 1º comment no meu post, ihihihihihihi
jinhos e sempre em contacto,

22:15  
Blogger Carlos Barros escreveu no papel...

o regresso é sempre uma meia vontade..de uma meia de qualquer coisa...
a outra metade resguarda-se para nada de especial

beijo

22:29  
Blogger Daniela Mann escreveu no papel...

Olá, gostei imenso do teu texto!
Um abraço e fico à espera da visita!
Beijinhos
Dani

23:38  
Blogger gerusa batista escreveu no papel...

deixe mesmo ele ir. o vento é só um sopro que de novo volta pra tocar seu rosto.

obrigada pela visita e elogio ao meu texto. venho sempre te visitar e gosto muito de ler-te.

00:03  
Blogger Lumife escreveu no papel...

Votos de Boa Páscoa.

21:53  
Blogger diva dos sonhos escreveu no papel...

Isa...que vivas sempre nesse encantamento!!!

Um beijo e até sempre...

22:24  
Blogger Marco escreveu no papel...

Olá! Obrigado pela visita ao 858, eu já conhecia o teu blog mas tinha perdido o link. Agora vou voltar mais vezes.

00:08  
Blogger Pedro Pan escreveu no papel...

, e com palavras indica como era, foi, é este ventar. construindo imagens de o ventar.
|beijos meus|

16:54  
Blogger shakermaker escreveu no papel...

Ora viva Cara Isa Xana...

Pois bem, algum dia teria que ser, até porque, por vezes, o azar entra-nos pelo blog adentro.

Devo-lhe dizer que visito o seu blog faz tempo e, não querendo ser impreciso, sou um visitante regular ou deveras semanal.

No entanto, tenho para mim que nunca comentei, e sendo assim, hoje estou a fazê-lo.

Bem, eu não gosto de poesia, prefiro antes palavras que rimem entre si. Porém, sempre gostei do vou lendo por aqui e, arrisco dizer, que nem tudo o que publica é, por assim dizer, poesia tal e qual a conhecemos.

Pronto, cá está, talvez seja por isso que me tenho escusado a comentar o seu blog...
Sabe, eu sou realmente inconveniente.

Todavia, gosto imenso do que escreve, umas vezes mais e outras nem tanto assim...
Mas gosto, e isso para mim é o suficiente para ter de lho dizer.

Posto isto, não vou comentar ou sequer tentar interpretar o que publicou. Até porque, não seria de bom tom empregar tamanha desfaçatez a tão singelas e proliferas palavras.

Gosto do seu blog e da forma como arruma as palavras nestas páginas...
Sejam elas de poesia ou não, claro está.

Sendo assim, estou de saída, sorte a sua!

Um abraço...
SHAKERMAKER

18:34  
Blogger Apenas, o cidadão escreveu no papel...

parece que às vezes a força que tivemos no passado nos abandona. e quando nos falta tentamos repetir os mesmos passos, procurando a corrente de energia que um dia nos abraçou.

então temos duas alternativas: ou tentamos compreender o mecanismo do vento, ou não o procuramos porque sabemos reconhece-lo e nesse momento deixamo-nos levar.

não sei se o poema tinha esta lógica mas foi o que me surgiu ao le-lo.

Uma excelente Páscoa!

19:56  
Blogger Miguel escreveu no papel...

também estive ausente, ainda bem que voltamos, a escrita faz-nos falta.

e estas palavras.. não podemos prender nada a um destino idealizado, deixar andar..

um beijo *

21:40  
Blogger wk13 escreveu no papel...

http://vagueandoporti.blogspot.com/

Cerejas

Bebo
o licor
na tua boca
Bebes
o licor
no meu umbigo


Mais que fantasia...
passamos horas
nessa brincadeira louca
Delírios do prazer
de estar contigo


Trilhas

de cerejas

em nossos corpos

Alimentos
degustados
pouco a pouco
Sinto
tua sede
e me alucino...


Somos cálice
iguarias
somos loucos
Bêbados
de paixão
e Maraschino...

07:29  
Blogger Bugs escreveu no papel...

Quem e vivo sempre aparece!!! :P

Obrigado pela tua visita
Esta lindo este poema.
Se realmente o queres, esse vento nao e de mais ng, é teu...

Bjs boa Pascoa

18:33  
Blogger douglas D. escreveu no papel...

olá!

19:33  
Blogger Su escreveu no papel...

belas palavras

jocas maradas de chocolate

22:29  
Blogger Isa&Luis escreveu no papel...

Lindo, lindo o teu poema. Gostei muito.

Um dia muito feliz na companhia da familia


beijinhos

Isa

13:19  
Blogger GNM escreveu no papel...

E ele voará para lá infinto...
Num voo infindavel, quase tão
grande como os nossos sonhos.

Deixo-te um meu sorriso!

16:18  
Blogger Catarino escreveu no papel...

ainda bem que conseguiste escrever...
já tava com saudades de te ler...
Beijos

16:35  
Blogger ricardo escreveu no papel...

mais do que as palavras sempre belas, sempre livres é a música de yann tiersen que faz do teu cantinho um lugar especial.

um beijo e não te esqueças de viver a vida intensamente!

19:24  
Blogger Nilson Barcelli escreveu no papel...

A sorte foi para nós, que te podemos ler.

Mesmo com o vento que soltaste do balão as palavras não voaram...

Beijos.

23:43  
Blogger O Micróbio II escreveu no papel...

Gostei do ritmo que deste às palavras... :-)

12:30  
Blogger da.rocha escreveu no papel...

'fado é sorte...
e do berço até à morte...
ninguém foge por mais forte...
ao destino que deus dá...'

fado de cada um... conheces?

eu acredito no fado... no nosso fado...
o vento também terá o seu...

beijos

01:22  
Blogger Carla escreveu no papel...

...e se enchesses de novo o peito com o ar do balão,sentias-lhe a falta?

17:08  
Blogger Squeezy escreveu no papel...

"Mas como prender o vento se o destino dele é o mundo?"


uma pergunta interessante...

13:05  
Blogger GNM escreveu no papel...

Isa,

Esta noite faço-te um convite:
No dia 16 de Junho, Sexta-feira,
às 21 horas, vou lançar o livro
NADA EM 53 VEZES na Fnac do
Cascais Shopping.

Gostaria muito que estivesses
presente nesse lançamento.

Passa um excelente fim de
semana!

23:35  
Blogger reflexoes depois escreveu no papel...

e vai-se o balão.. acordei assim hoje... Beijos

19:09  

Enviar um comentário

<< Voltar ao papel