terça-feira, 11 de janeiro de 2005

Verão em Sintra Parte IV - O Final

Mariana, desde pequena, sempre tivera aquele sonho. Ela caminhava, caminhava até chegar a um velho castelo. Entrava nele e uma senhora muito bem trajada aparecia-lhe, conversava com ela, dava-lhe um vestido de princesinha e dizia que estava ali para a proteger. Ela dizia à pequena Mariana que um dia ajudá-la-ia a cumprir o seu destino, realizando um desejo da menina. Mas antes que pudesse dizer mais qualquer coisa, acordava. Nunca falara deste sonho a ninguém. A Senhora tinha pedido. Ela fazia o que a Senhora pedia. Porém há já algum tempo que não sonhava com a Senhora, tempo suficiente para não reconhecer a sua voz logo. E quando fez um esforço para se lembrar da última vez que tinha sonhado com ela, não conseguia.
- Vim realizar o teu desejo hoje, Mariana. Chegou a hora... - enquanto a Senhora falava sobre o desejo, Mariana lembrou-se. A última vez que tinha sonhado com a Senhora fora quando, finalmente, fizera o pedido e a Senhora informara-a que não se voltariam a ver até... - o dia em que um castelo estivesse acima da sua cidade e margarida deixasse de ser uma flor. É este o dia, Mariana.
Margarida olhou para a amiga. Era isso, era por isso o sentimento de ter uma missão a cumprir. Era por isso que tinha sido ela a dar a ideia do castelo. Era por isso que ficara paralizada ao ver a Senhora. Ela não podia fazer nada, a missão já estava cumprida.
- Mariana começou a recuar.
- Não, não pode. Naquele dia estava muito triste. Não sabia o que dizia.
- Nada posso fazer, Mariana. Eu avisei-te que não poderias voltar atrás no teu pedido e tu disseste que não voltarias.
- Mas e a minha mãe e...
- Ninguém mais se lembrará de ti. Serás não mais que uma lenda.
- Mas eu não quero dormir agora.
- Voltarás um dia, como pediste.
Mariana começou a cair suavemente no chão de pedra e terra e os seus olhos fecharam-se a pouco e pouco, caindo num sono profundo.
No último sonho que tivera com a Senhora, no dia do seu 16º aniversário, Mariana tinha feito o seu pedido. Estava tão triste que pedira para dormir, dormir num sono encantado e somente acordar quando o seu amado chegasse. Ele teria que chegar. Que levasse décadas, que levasse séculos, não importava, só queria que alguém gostasse dela e que esse amor a fizesse retornar à vida.
E assim, a Bela Adormecida repousou e repousa no seu leito encantado, esperando.



Esta história sofreu uma grande alteração desde a sua ideia original. Achei-a demasiado óbvia para algumas pessoas e decidi mudá-la completamente. Não sei se gostaram, mas espero que sim.

4 Lápis no papel:

Blogger Vab escreveu no papel...

Ai prima, que vontade de xoraaaaaaaaaaarrr.
Olha lá, mas ela inda ta a dormir? até hoje? bem...quando acordar deve te um hálito...

01:02  
Blogger isa xana escreveu no papel...

´LOOOOOOOOOOOOOOOL
ninguem se vai lembrar disso.... não te preocupes, vou escolher um príncipe com um olfacto ruim comó caraças!!!... se a historia continuar

01:05  
Blogger Vab escreveu no papel...

ai, não!!! eu lembrar-me-ia... blargh... lolol

01:10  
Blogger isa xana escreveu no papel...

LOOOOOL

01:19  

Enviar um comentário

<< Voltar ao papel