quarta-feira, 12 de janeiro de 2005

Adeus

Já gastámos as palavras, pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.
Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já se não passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.

Eugénio de Andrade, Os Amantes sem Dinheiro (1950)


Aprendi a gostar deste poema como aprendi a gostar de quem me deu a conhecer este poema. Beijo, carlita.

6 Lápis no papel:

Blogger Vab escreveu no papel...

Ai Prima. Este Eugénio deixa-me louco. Gosto imenso, mas não sei!! axo-o parecido comigo.. lol ou eu é k sou parecido com ele,ou nao! aii k seca k estou. Gosto bastante. Fazes sempre a melhor selecção das coisas.
Fiquei um pouco desiludido quando vi que era do nosso Eugénio. Por momentos pensei que fosse da Raphaela Blat, acho a poesia parecida.Bêjos alentejanos

18:37  
Anonymous Anónimo escreveu no papel...

inda vais ler coisitas da Raphaela;)
a Raphaela sentir-se-á muito feliz com o k disseste sobre a escrita de ambos.
bêjos

19:27  
Anonymous Anónimo escreveu no papel...

é uma honra imensa ter um poema dedicado a minha humilde pexoa neste maravilhoso blog!!!lol
Bigada por t lembrares de mim,pds ter a certeza k,apesar d tarmos meio longe,nunca m hei-d xkecer d ti!!!
saudades dakelas aulinhas d português...
Bjinhux,carla (ou carlita,como preferires)

21:32  
Blogger isa xana escreveu no papel...

epah, é k tenho mesmo saudades daquelas aulas de português.. nao é k sejam saudades tuas... sao saudades das aulas, claro!!!=P
txi adoro!

21:45  
Anonymous Anónimo escreveu no papel...

carol: epá e que belo poema!

01:34  
Blogger isa xana escreveu no papel...

eu sei eu sei... o meu bom gosto é assim eheh

01:44  

Enviar um comentário

<< Voltar ao papel