sexta-feira, 11 de fevereiro de 2005

Esperei



Naquele jardim te esperei.
Naquele banco de madeira
sentada te esperei.
As folhas caíam.
Amarelas.
Douradas.
Vermelhas.
Velhas.
Cansadas.
Mortas.
E eu continuei esperando.
E esperei.
Esperei
até as minhas pernas ficarem dormentes
e os meus braços perderem as forças,
até os meus olhos serem vencidos pelo cansaço
e o meu coração não resistir mais à espera,
até o meu corpo não suportar mais a tua ausência.
Esperei
naquele jardim sagrado
dos nossos encontros secretos,
do nosso amor proibido.
Esperei
naquele banco antigo,
desgastado pelo tempo,
sábio pelo que já assistira,
triste pelo significado.
Naquele banco cercado de velhas folhas,
sentei-me e esperei,
esperei
e esperei.
E um dia,
recompensada por tanta espera,
tu vieste,
ficaste,
não mais me deixaste.
Hoje,
aquele banco abandonado
é somente uma lembrança
da minha solidão antes de ti
e sei que nunca mais lá retornarei,
pois não mais precisarei esperar.

Raphaela Blat

14 Lápis no papel:

Blogger Fernando B. escreveu no papel...

Quem espera sempre alcança. O que devemos fazer é não ficar de braços cruzados e ir à Luta.

Adorei o teu Poema.

Só mais uma coisa, parece-me que te conheço. FIARTIL, é isso? Eu sou o Amigo do Coimbra. Esclarece-me por favor.

Já agora visita o meu Blog.

Beijocas,

01:27  
Blogger Carlos Barros escreveu no papel...

São simples as esperas que nos acarinha o ser, são verdades que nos sobem pelos dedos, e com um lapis e papel
se escrevem poemas de espera lindissimos...
parabéns

02:29  
Blogger Menina_marota escreveu no papel...

Todos nós esperamos por alguém, ou por algo... a vida é uma espera. Gostei muito da sensibilidade do teu poema.
Jinhos :-)
http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/

03:11  
Blogger Uma estrela errante escreveu no papel...

Gostei muito do teu poema!
Esperamos sempre por algo na nossa vida.
beijinho

11:52  
Blogger litle lucy escreveu no papel...

porque esperar se podemos lutar ?
beijo rose*****

12:09  
Blogger Vera Cymbron escreveu no papel...

A vida condena-nos a uma continua espera...nem sempre nos chega, nem sempre era o que esperavamos...enfim, mas há que vier e querer viver.
Jinhos...

12:21  
Anonymous Alma ébria escreveu no papel...

Vou colocar o teu link no meu blog :)

14:59  
Blogger AS escreveu no papel...

...mas o que é a vida senão uma espera permanente? Quem não espera é porque deixou de acreditar!...

Um beijo e bom fim de semana

15:16  
Blogger Å®t_Øf_£övë escreveu no papel...

Blue,
Infelizmente a vida é mesmo assim.Por vezes é injusta demais.
Beijinho.

17:03  
Blogger Kal escreveu no papel...

Eu uma vez sentei-m num banco á espera de um poeta... ele nunca apareceu. posso visitar-te mais x aki?

22:19  
Blogger ricardo escreveu no papel...

um banco de jardim e as folhas amarelecidas. um simples encontro de formas e as palavras ganham cor. ganham momentos, sorrisos e esperanças. esperam, desesperam. vivem, sobrevivem ou morrem. contigo fazem vidas. bjito, isa

00:18  
Blogger impressaodigital escreveu no papel...

ler este poema ao som desta melodia...
divinal!

gostei do teu blog

00:21  
Blogger lady-bird escreveu no papel...

Esperar às vezes é muito duro e só parece valer a pena quando a espera é recompensada. Muito bonito.

15:06  
Blogger lique escreveu no papel...

Ainda bem que a tua espera foi recompensada. E que neste momento sabes que não vais voltar áquele banco... :) Beijinhos, Isa

22:51  

Enviar um comentário

<< Voltar ao papel